Acusados de traficar pessoas para trabalhar no Brasil são presos em Puerto Quijarro

Cinco pessoas de nacionalidade peruana que aguardavam para atravessar a fronteira foram encontradas em alojamentos nos municipios de Puerto Quijarro e Puerto Suarez. Duas pessoas foram presas em Porto Quijarro (Fronteira com Corumbá) na última sexta-feira (21), acusados de integrarem uma quadrilha especializada em tráfico internacional de pessoas que levariam individuos para trabalharem em confecções de […]

Comentar
Compartilhar
24 out 2016 Por Erik Silva 7h00

Cinco pessoas de nacionalidade peruana que aguardavam para atravessar a fronteira foram encontradas em alojamentos nos municipios de Puerto Quijarro e Puerto Suarez.

Um cidadão de nacionalidade peruana e outro boliviano foram presos acusados de tráfico internacional de pessoas

Um cidadão de nacionalidade peruana e outro boliviano foram presos acusados de tráfico internacional de pessoas / Foto: Ercel Puerto Quijarro

Duas pessoas foram presas em Porto Quijarro (Fronteira com Corumbá) na última sexta-feira (21), acusados de integrarem uma quadrilha especializada em tráfico internacional de pessoas que levariam individuos para trabalharem em confecções de roupas no Brasil. A informação foi repassada pelo Ministro de Governo Carlos Romero aos órgãos de imprensa boliviana durante coletiva realizada no Hotel Pantanal.

De acordo com informações da Rádio Ercel, os presos foram identificados como Eduardo Tintaya (25), de nacionalidade peruana e apontado como líder da quadrilha e seu cúmplice, Walter Suarez (24),de nacionalidade boliviana, com eles foram apreendidos documentos que seriam utilizados na tentativa de ludibriar o setor de imigração para conseguirem visto das autoridades brasileiras.

Na operação batizada como Thaunkuy Rikhuy (Tudo vê e Tudo ouve), foram localizadas cinco pessoas sendo três mulheres e dois homens, todos de nacionalidade peruana que eram mantidos em um alojamento e não possuíam nenhum documento de identificação. Depois de questiona-los a respeito do que estariam fazendo no país, as mulheres e afirmaram que um cidadão peruano tinha os  recrutado na cidade de Puno , Peru, oferecendo trabalho em oficinas de confecções no Brasil.

Participou da coletiva o comandante geral da Policia Nacional boliviana Hugo Justiniano e o Ministro de Governo reforçou a importância de todas as instituições atuarem de maneira coordenada em benefício da segurança na fronteira e no combate ao tráfico de pessoas.

Com informações Rádio Ercel Puerto Quijarro e El Deber

Leia Também

Colunas

Contraponto