Assaltantes invadem casa e fazem vice-prefeito eleito e família reféns

Entre as vítimas, duas crianças ficaram na mira de criminosos

Comentar
Compartilhar
21 nov 2016 Por Correio do Estado 8h58
isac-gonzalez-luciano-fonseca-valdenir-rezende-1

Isac (de camiseta verde) e Luciano foram presos em flagrante – Valdenir Rezende/Correio do Estado

Vice-prefeito teve a casa invadida e, junto com a família, foi feito refém, na noite de ontem. O episódio aconteceu em Ribas do Rio Pardo e envolveu o político eleito em outubro e que assume a administração municipal no próximo ano.

Foi relatado em Boletim de Ocorrência que a esposa do vice-prefeito estava sentada na frente da casa onde moram, acompanhada de duas crianças, quando dois assaltantes chagaram anunciando o roubo. A mulher gritou e o vice-prefeito saiu para ver o que acontecia, momento em que, na mira de revólver, foi obrigado a entrar novamente para a casa. A família foi mantida refém por cerca de 40 minutos.

Depois de pegar objetos eletrônicos, joias, dinheiro e caminhonete Nissan, um dos bandidos saiu, enquanto o comparsa, que parecia ser menor de idade, permaneceu em poder das vítimas. Depois de receber telefonema, o assaltante fugiu avisando as vítimas que ainda permanecessem quietas por 15 minutos, senão seriam mortas por integrante do grupo que dava apoio ao crime no lado de fora. Ainda conforme declarações, os criminosos foram violentos e fizeram várias ameaças.

PRESOS

Dois envolvidos no assalto foram presos em Campo Grande. Isac Gonzalez da Silva, 34 anos, e Luciano Ferreira da Fonseca, 30, foram interceptados na Avenida Guaicurus, quando chegavam com a Nissan tomada no crime.

Depois de saberem do roubo, policiais militares articularam operação para o flagrante. O terceiro integrante do grupo, que seria o adolescente que permaneceu armado em poder da vítima não foi localizado.

Além da caminhonete, foram recuperados: televisão, brincos, frasco de perfume e saco plástico contendo várias moedas. Isac e Luciano foram indiciados por roubo majorado pela restrição de liberdade, concurso de pessoas e emprego de arma.

Colunas

Contraponto