Brasileiros são novo alvo de golpe online que ‘abalou’ o mundo

O vírus foi descoberto em junho de 2016 por pesquisadores da Avast

Comentar
Compartilhar
15 nov 2016 Por G1 11h41

O Crypt888 é um arquivo malicioso que se enquadra na categoria de ransomware, ou seja, ele criptografa todo o conteúdo do HD da vítima e cobra um “resgate” para a devolução de dados. Após atingir usuários na Itália e República Tcheca, o Crypt888 chega ao Brasil e agora busca por novas vítimas.

O vírus foi descoberto em junho de 2016 por pesquisadores da Avast!, conhecida empresa de antivírus. De lá pra cá, o ransomware já foi visto em pelo menos três línguas. Sua aparição mais recente foi em português e apresentava instruções de pagamento em bitcoins, uma forma de dinheiro virtual e não rastreável.

ashampoo_snap_20161107_16h08m54s_002_

Mensagem trazida pelo vírus Crypt888 (Foto: Divulgação/Avast)

Uma faceta peculiar deste vírus é que boa parte de seu código é o mesmo. Uma das poucas alterações foi o papel de parede que é instalado no computador da vítima e que traz as instruções para o pagamento do resgate. Todas as outras partes do código, como o algoritmo de criptografia, a chave de criptografia, nomes de arquivos e demais partes do código permanecem as mesmas. Estas informações estão em um script chamado “Autolt”.

No total, os pesquisadores da Avast já descobriram cinco versões deste malware. A primeira delas foi em 22 de junho de 2016 e parecia ser apenas uma versão de testes. O vírus mudava o papel de parede do usuário para uma imagem do Guy Fawkes, símbolo do grupo hacktivista Anonymous e nele tinha uma mensagem que acusava a vítima de ter roubado uma certa quantia em bitcoins, mas não trazia nenhuma informação sobre como o pagamento do resgate deveria ser feito.

Papel de parede com a imagem de Guy Fawkes com mensagem para a vítima (Foto: Divulgação/Avast)

Papel de parede com a imagem de Guy Fawkes com mensagem para a vítima (Foto: Divulgação/Avast)

Em 08 de Julho, uma nova versão foi encontrada, com modificações no papel de parede. A história do roubo havia sumido, porém ainda não existia informações sobre contas bancárias ou bitcoins. Até que em 29 de julho foi encontrada a versão italiana do vírus.

O papel de parede agora estava com uma mensagem em italiano e com erros ortográficos –  o que sugere uma tradução automática. Sendo assim, os criadores do vírus não são italianos. O código do arquivo foi ofuscado, mas permanecia essencialmente o mesmo. Mesmo assim, ainda não havia nenhuma informação de como o pagamento poderia ser efetuado. Dessa maneira, as vítimas italianas estavam com seus arquivos criptografados mas sem saber como fazer o resgate.

Em 21 de setembro, a versão tcheca é descoberta. Apesar do código ser o mesmo das versões anteriores, a mensagem mudou bastante. Nela, os criadores do vírus tentam enganar as vítimas afirmando que eles são, na verdade, o ransomware Petya – que ainda não tem um método válido para descriptografia.

Isso servia para desestimular usuários que tentassem buscar alguma saída online.  O valor de resgate era de 0,8 bitcoins, o que dá um valor aproximado de US$ 480. Além disso, agora as vítimas tinham um prazo de apenas cinco dias para pagarem. Porém, nenhuma penalidade era estipulada para caso o prazo não fosse cumprido.

Por fim, em outubro, foi descoberta a versão brasileira. Novamente, a mensagem havia sido traduzida de maneira automática para nosso idioma, mas estava mais detalhada. O valor cobrado por eles é de R$ 2.000 e há, inclusive, um guia que ensina como comprar bitcoins. Felizmente, como o código do malware não foi alterado, os pesquisadores do Avast conseguiram desenvolver uma solução que funciona para todas as versões do Crypto888.

 

https://www.youtube.com/embed/0XKWEpfeHF0

Leia Também

Colunas

Contraponto