CMN ajusta normas e produtores sem o CAR terão acesso a crédito até 1º de janeiro de 2018

O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou uma série de ajustes em normas do crédito rural, entre eles a prorrogação, para 1º de janeiro de 2018, do prazo a partir do qual produtores rurais de todo país ficarão impedidos de acessar esses financiamentos caso não se inscrevam no Cadastro Ambiental Rural (CAR). O prazo até então […]

Comentar
Compartilhar
04 nov 2016 Por Noticias MS 10h57
Diversidade é um dos aspectos do Pantanal / Foto: Erik Silva

O prazo até então vigente era de 26 de maio de 2017 / Foto: Erik Silva

O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou uma série de ajustes em normas do crédito rural, entre eles a prorrogação, para 1º de janeiro de 2018, do prazo a partir do qual produtores rurais de todo país ficarão impedidos de acessar esses financiamentos caso não se inscrevam no Cadastro Ambiental Rural (CAR). O prazo até então vigente era de 26 de maio de 2017. A medida do CMN apenas formaliza as mudanças incluídas na Lei 13.295, que havia sido sancionada em junho deste ano e alterou pontos do novo Código Florestal.

Entre as outras modificações, o CMN também esclareceu que o prazo de reembolso do custeio pecuário, que era de até um ano, agora pode chegar a dois anos, desde que o financiamento se destine à aquisição de animais para recria e engorda na mesma operação. Nas regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste o prazo de reembolso pode ser maior, pois grande parte da criação de bovinos ou bubalinos ocorre em sistema extensivo. Essa condição vale somente quando se utilizar recursos dos fundos constitucionais, informou o Ministério da Fazenda.

Os ministros do conselho também decidiram estender o universo dos financiamentos no âmbito do programa de crédito Pró caminhoneiro, do BNDES, passíveis de renegociação. O escopo da renegociação que abrangia operações contratadas até 31 de dezembro de 2014 foi ampliado para os empréstimos feitos até 31 de dezembro de 2015.

Colunas

Contraponto