Concurso de redação aborda direitos sexuais das crianças

Há filmes como “Confiar” (drama, EUA, 2010), que reproduz um caso de pedofilia que resulta em abuso sexual contra uma garota de 14 anos, seduzida por um adulto via internet. Há relatos da vida real que tornam esse contexto ainda mais ameaçador para pais que se sacrificam em educar e garantir uma vida saudável e […]

Comentar
Compartilhar
08 out 2016 Por Nelson Urt 15h12
Professor José Ângelo Motti proferiu palestra no Moinho Cultural / Foto: NavePress

Professor José Ângelo Motti proferiu palestra no Moinho Cultural / Foto: NavePress

Há filmes como “Confiar” (drama, EUA, 2010), que reproduz um caso de pedofilia que resulta em abuso sexual contra uma garota de 14 anos, seduzida por um adulto via internet. Há relatos da vida real que tornam esse contexto ainda mais ameaçador para pais que se sacrificam em educar e garantir uma vida saudável e digna a suas crianças, mas que se deparam com a violência de um desconhecido ou alguém da própria família.

Entre os educadores responsáveis e conscientes, há um esforço coletivo para fazer com que crianças, adolescentes e jovens valorizem a autoestima, a proteção e o controle total sobre seus corpos, o sentido do pertencimento que os torna capazes de detectar e impedir a invasão de privacidade. Contudo, com o advento da internet e a exposição desenfreada da vida íntima nas redes sociais, isso se tornou impraticável. A situação está praticamente fora de controle. E mais: crescem os números de gravidez precoces, gestantes de dez, doze anos, e casos de prostituição entre menores. Por isso, resta aos educadores alertar, conscientizar e fazer valer o direito ao pertencimento, à liberdade, à privacidade, enfim, aos direitos humanos.

Quem conhece a si mesmo torna-se mais bem preparado para lidar com o mundo desconhecido. Programas como o Proteger é Preciso vieram para somar às lutas de centenas de instituições idôneas que buscam fazer valer os direitos de crianças e adolescentes. Neste dia 6 de outubro, quase 500 pessoas, entre estudantes, funcionários, colaboradores e autoridades participaram do lançamento do Concurso de Redação do Programa Proteger é Preciso, na sede do Moinho Cultural, no Porto Geral.

O tema do concurso é “Direitos Sexuais são Direitos Humanos”.  As inscrições estão abertas e o concurso vai premiar os ganhadores – alunos e professores da rede pública de ensino de Corumbá e Ladário – com notebooks e tablets. O concurso corresponde a uma das etapas do Programa Proteger é Preciso, executado pelo Moinho em parceria com a Vale e Fundação Vale, como forma de desenvolver ações integradas de prevenção e combate à violência sexual contra crianças e adolescentes. A vice-prefeita Márcia Rolon, fundadora do Moinho, revelou que números do censo IBGE dando conta que vivem hoje em Corumbá 12.567 crianças e adolescentes dos 12 aos 17 anos. E que o programa já atendeu 2.825 deles.

O gerente de Circulação e Operações do Centro-Oeste da Vale Mineradora, Antônio Sérgio da Silva Mello, destacou a parceira com o Moinho e a amplitude do programa, que se alinha aos objetivos comuns ao promover a valorização e a proteção da vida de seres humanos. Palestra sobre o tema foi proferida pelo professor José Ângelo Motti, coordenador da Escola de Conselhos da UFMS e um dos idealizadores do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Confira essa e outras matérias de Nelson Urt no Blog Nave Pantanal

https://www.youtube.com/embed/0XKWEpfeHF0

Colunas

Contraponto