Criança de 3 anos sobrevive três dias sozinha em floresta na Sibéria

Tserin, de 3 anos, tinha sumido de sua casa no vilarejo remoto de Tyv. Taiga siberiana é habitada por animais selvagens, como ursos e lobos. Uma criança que desapareceu na taiga da Sibéria foi encontrada três dias mais tarde, viva e saudável, segundo o Ministério de Emergências. Tserin, de três anos de idade, sumiu de sua […]

Comentar
Compartilhar
23 set 2016 Por G1 10h28

Tserin, de 3 anos, tinha sumido de sua casa no vilarejo remoto de Tyv. Taiga siberiana é habitada por animais selvagens, como ursos e lobos.

Criança de 3 anos sobreviveu três dias sozinha na Sibéria (Foto: Russian Emergencies Ministry/Reuters)

Criança de 3 anos sobreviveu três dias sozinha na Sibéria (Foto: Russian Emergencies Ministry/Reuters)

Uma criança que desapareceu na taiga da Sibéria foi encontrada três dias mais tarde, viva e saudável, segundo o Ministério de Emergências.

Tserin, de três anos de idade, sumiu de sua casa no vilarejo remoto de Tyva, no sul da Sibéria, no último final de semana. Deixado sozinho, ele foi atrás de seus cães, que o levaram à taiga –uma floresta entre a tundra e as estepes povoada por animais selvagens, como ursos, lobos, linces e raposas.

Três dias de buscas de mais de 100 policiais e agentes de resgate, cães farejadores e um helicóptero não deram resultado. Mais tarde o menino ouviu seu tio chamando e respondeu. Ele estava a poucos quilômetros de casa.

A primeira coisa que o menino pediu foi seu carro de brinquedo, disse um agente de resgate, de acordo com a mídia local.

Tserin provavelmente sobreviveu porque não entrou em pânico, teria dito um socorrista local. Seu primeiro gesto ao se ver perdido foi terminar o chocolate que trazia em um dos bolsos. Depois ele se deitou em um local seco debaixo de uma árvore e adormeceu.

De forma bastante previsível, ele já foi apelidado de Mogli.

Tserin, de 3 anos, tinha sumido de sua casa no vilarejo remoto de Tyv (Foto: Russian Emergencies Ministry/Reuters)Tserin, de 3 anos, tinha sumido de sua casa no vilarejo remoto de Tyv (Foto: Russian Emergencies Ministry/Reuters)

Leia Também

Colunas

Contraponto