Empresa de alimentos recebe multa de R$ 20,9 mil reais por desmatamento, incêndio e exploração ilegal de madeira em Corumbá

Policiais Militares Ambientais de Corumbá autuaram uma empresa de alimentos, com domicílio jurídico em Corumbá, por desmatamento e exploração de madeira irregular e incêndio. A PMA localizou nesta sexta-feira (23), no início da tarde as infrações no assentamento Mato Grande, localizado no município, onde se constatou um desmatamento em 10 hectares medidos com GPS. Também […]

Comentar
Compartilhar
24 set 2016 Por Erik Silva 11h34
img-20160924-wa0003

Além de desmatamento, empresa realizada incêndio em área adquirida ilegalmente / Foto: Divulgação PMA

Policiais Militares Ambientais de Corumbá autuaram uma empresa de alimentos, com domicílio jurídico em Corumbá, por desmatamento e exploração de madeira irregular e incêndio. A PMA localizou nesta sexta-feira (23), no início da tarde as infrações no assentamento Mato Grande, localizado no município, onde se constatou um desmatamento em 10 hectares medidos com GPS. Também foi verificada a exploração de madeira resultante da derrubada das árvores do desmatamento ilegal.

Foram apreendidos 3m³ de madeira das espécies piúva e castelo, transformada em estacas para cerca. Além disso, no momento em que a PMA chegou ao local, eram incendiados os restos vegetais resultantes do desmatamento nas leiras, envolvendo madeira grossa, o que é proibido, mesmo nos desmatamentos com autorização do órgão ambiental.

A empresa de gêneros alimentícios possuía um recibo de compra e venda do lote, o que também é ilegal e a PMA fará a informação ao Instituto Nacional de Reforma Agrária (INCRA), para a possível retomada do lote.

Foram apreendidos 3m³ de madeira das espécies piúva e castelo, transformada em estacas para cerca

Foram apreendidos 3m³ de madeira das espécies piúva e castelo, transformada em estacas para cerca

As atividades foram interditadas. A empresa atacadista, importadora e exportadora de gêneros alimentícios, foi autuada administrativamente e multada em R$ 20.900,00. Os responsáveis responderão por três crimes ambientais e, se condenados, poderão pegar pena de três a seis meses de detenção pelo desmatamento; de seis meses a um ano de detenção pela exploração da madeira e; de dois a quatro anos de reclusão pelo incêndio do produto vegetal ilegalmente.

https://www.youtube.com/embed/0XKWEpfeHF0

Colunas

Contraponto