Exposições marcam comemoração do centenário de Manoel de Barros

Projeto inclui painéis com poesias nos Altos da avenida Afonso Pena. Poeta nasceu em Cuiabá e cresceu no Pantanal de Corumbá. A paisagem dos Altos da avenida Afonso Pena está diferente há alguns dias. Quem passa pelo local percebe no canteiro central frases e fotos que contam a história e a obra do poeta Manoel de […]

Comentar
Compartilhar
05 nov 2016 Por G1 7h10

Projeto inclui painéis com poesias nos Altos da avenida Afonso Pena. Poeta nasceu em Cuiabá e cresceu no Pantanal de Corumbá.

Poeta Pantaneiro faleceu no dia 13 de novembro de 2014

Poeta Pantaneiro faleceu no dia 13 de novembro de 2014

A paisagem dos Altos da avenida Afonso Pena está diferente há alguns dias. Quem passa pelo local percebe no canteiro central frases e fotos que contam a história e a obra do poeta Manoel de Barros. Em cada painel uma poesia e ilustração. A exposição ao ar livre faz parte do projeto sobre o centenário de nascimento do artista, provocado pelo Sesc.

Contação de histórias e oficinas também fazem parte da programação, lançada na quinta-feira (3) em evento na Morada dos Baís. Na abertura do projeto, o quintal da Morada se transformou no quintal de Manoel de Barros, onde a imaginação não tem limites.

Algumas salas da Morada também deram espaço ao mundo da poesia, mas o convite para conhecer um pouco sobre o poeta estará em vários cantos da cidade. Em shoppings ou supermercados, espaços de leitura serão montados com a obra de Manoel, que nasce em Cuiabá, mas passou a infância no Pantanal em Corumbá.

A vida entre bichos e plantas o inspirou e o primeiro poema foi escrito aos 19 anos. A partir daí foram muitas obras até o reconhecimento do grande público e da literatura: ele ocupou a cadeira de número um da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras.

O poeta
Manoel de Barros é um dos maiores poetas brasileiros do século XX e em 2016 completaria 100 anos.

Ele nasceu em Cuiabá (MT) em 19 de dezembro de 1916, e passou a infância desvendando os mistérios do pantanal.

Ao longo da vida o poeta correu o mundo. Nos últimos anos ele levou uma vida reclusa em Campo Grande, ao lado da esposa. Morreu no dia 13 de novembro de 2014, na capital sul-mato-grossense, aos 97 anos.

O poeta publicou seu primeiro livro: “Poemas concebidos sem pecado”, em 1937. Teve 28 obras publicadas no Brasil até 2013 e ganhou 13 prêmios de literatura, entre eles o “Nacional de poesias”, em 1966, o “Jabuti”, em 1989 e 2002 e ainda o “Nacional de Literatura do Ministério da Cultura”, em 1998 e o da “Academia Brasileira de Letras”, em 2000. Também teve trabalhos publicados em Portugal, na França e na Espanha.

Colunas

Contraponto