Governador apresenta plano de recuperação do Taquari e tem apoio do ministro Sarney Filho

Durante o encontro sobre sustentabilidade e turismo no Refúgio Ecológico Caiman, em Miranda, encerrado neste sábado, o governador Reinaldo Azambuja entregou ao ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho, uma cópia do plano de recuperação e preservação da bacia do Rio Taquari – um conjunto de diretrizes que vão delinear a elaboração e desenvolvimento dos […]

Comentar
Compartilhar
17 out 2016 Por Noticias MS 7h59
Reinaldo disse que o Estado assume o compromisso de impedir o avanço da degradação ambiental que ameaça a extinção do rio e inundou permanentemente mais de um milhão de hectares de terras no Pantanal de Corumbá

Reinaldo disse que o Estado assume o compromisso de impedir o avanço da degradação ambiental que ameaça a extinção do rio e inundou permanentemente mais de um milhão de hectares de terras no Pantanal de Corumbá /Foto: Chico Ribeiro

Durante o encontro sobre sustentabilidade e turismo no Refúgio Ecológico Caiman, em Miranda, encerrado neste sábado, o governador Reinaldo Azambuja entregou ao ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho, uma cópia do plano de recuperação e preservação da bacia do Rio Taquari – um conjunto de diretrizes que vão delinear a elaboração e desenvolvimento dos projetos executivos que contemplação a parte alta (planalto, ao norte o Estado) e a planície pantaneira.

Reinaldo disse que o Estado assume o compromisso de impedir o avanço da degradação ambiental que ameaça a extinção do rio e inundou permanentemente mais de um milhão de hectares de terras no Pantanal de Corumbá, com intervenções para recuperar as microbacias e matas ciliares na região do planalto e evitar o carreamento de areia para a planície. Segundo ele, serão ações em duas frentes, buscando também desassorear o rio, que hoje recebe 40 mil toneladas/dia de sedimentos.

“Temos grandes problemas ambientais no entorno do Pantanal, como o avanço da soja e a degradação do solo frágil gerada pela pecuária sem controle ambiental, e o Estado busca implementar políticas públicas para eliminarmos esse passivo histórico em relação ao assoreamento do Taquari”, destacou o governador, durante ato realizado na Caiman, na manhã deste sábado, ao lado do ministro do Meio Ambiente, do seu colega de Mato Grosso, Pedro Taques, dentre outras autoridades.

Apoio da União

O governador disse que programas equivocados de fomento a abertura de novas fronteiras agrícolas, lançados no passado, causaram o desastre ambiental do Taquari, “e hoje estamos pagando um alto preço, principalmente os pantaneiros, que perderam suas terras”. Ele citou que outros rios do bioma, como o Piquiri e o próprio Rio Paraguai, também estão em processo de assoreamento, e pediu o apoio do ministro para que o plano de recuperação do Taquari se efetive com a parceria do governo federal.

Segundo o secretário estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico, Jaime Verruck, também presente ao evento na Caiman, promovido pelo Governo do Estado e a ong SOS Pantanal, o plano entregue a ministro foi baseado no programa de ações definido pelo Comitê Interministerial criado pela presidência da República, em 2006, e prevê intervenções definitivas e de médio e longo prazos. O volume de investimentos será definido pela União e Estado.

Compromisso

Depois de sobrevoar a região mais afetada do Taquari, na Boca do Caronal, na sexta-feira, o ministro José Sarney Filho se comprometeu a uma tomada de posição política do governo federal para ajudar o Estado, os municípios e os produtores pantaneiros a recuperar o rio. Ele disse que o desastre ambiental “é assustador”, mencionando que “uma região de grande potencial ecológico está morrendo” tendo como causa, conforme definiu, “um desarranjo ambiental”.

José Sarney Filho disse que as medidas de recuperação e preservação da bacia o Taquari devem ser emergenciais e reafirmou que o Ministério do Meio Ambiente está comprometido com a causa e dará todo suporte ao Governo do Estado na execução do plano apresentado pelo governador Reinaldo Azambuja. “É uma ameaça muito séria e as ações exigem uma sintonia do poder público com as comunidades locais e os setores da produção e do meio ambiente”, ponderou.

O ministro elogiou as medidas anunciadas durante o encerramento do encontro, neste sábado, como a posição do governador Reinaldo Azambuja de propor ações para recuperar o Taquari e a decisão de buscar a sustentabilidade do Pantanal com leis unificadas com Mato Grosso, e confessou que retornaria a Brasília muito feliz por ter passado três dias na região. “Fazendo o que estamos propondo aqui já justificaria meu retorno ao ministério (do Meio Ambiente)”, disse.

Arara Azul

O governador Reinaldo Azambuja pernoitará na Caiman, juntamente com sua esposa, Fátima, e no final da tarde deste sábado visitará a base de pesquisa do Projeto Arara Azul na reserva. O encontro sobre sustentabilidade e turismo no Pantanal contou com a presença dos secretários estaduais Jaime Verruck (Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico) e Fernando Lamas ((Produção e Agricultura Familiar) e Renato Roscoe (Cultura, Turismo, Inovação e Empreendedorismo). Prestigiaram o evento também o senador Pedro Chaves e o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Junior Mochi.

https://www.youtube.com/embed/0XKWEpfeHF0

Colunas

Contraponto