Grupo ligado ao MST interdita BR-262 e mantém trânsito lento

Com a chegada da PRF, trânsito funciona no sistema pare-siga

Comentar
Compartilhar
28 nov 2016 Por Correio do Estado 15h45
whatsapp-image-2016-11-28-at-124911

Cerca de 50 pessoas participam do manifesto – Foto: Divulgação/PRF

Trânsito ficou totalmente interditado na manhã de hoje, por volta das 10h, no quilômetro 743 da BR- 262, no sentido que dá acesso a Corumbá, durante manifesto realizado por integrantes do Movimento Sem Terra (MST). Eles fecharam a BR, mas não divulgaram detalhes das reivindicações, apenas exigem que um representante do Incra vá ao local.

Até a chegada da Polícia Rodoviária Federal (PRF), o trânsito ficou congestionado nos dois sentidos. Munidos com cartazes, cerca de 50 pessoas participam do protesto.

Os agentes da PRF coordenaram o trânsito e montaram um pare-siga para diminuir o congestionamento. De acordo com a polícia, não há registro de tumulto.

A informação é que o protesto permanece e não foi divulgado quando haverá o fim da presença dos manifestantes.

MUDANÇA

No dia 11 de novembro foi assinado termo de cooperação técnica para transferência de serviços entre o Incra e o governo do Estado, com intuito de agilizar a reforma agrária em MS.

A Agência Estadual de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer) passou a ser o principal executor de atividades como vistorias, avaliações de imóveis e desembaraço de burocracia relacionada ao meio ambiente, e não mais o Incra.

A Superintendência do Incra no Estado cuida de 202 projetos de assentamento atualmente. A reforma agrária em Mato Grosso do Sul vem passando por período de intenso declínio, com sucessivas quedas na concessão de propriedades.

Último dado divulgado mostrou que em 2014 foram 442 famílias que receberam lotes. Antes disso, foram cinco anos sem nenhum assentamento. A maior leva de criação de áreas de reforma agrária foi em 2005, com 6.031 lotes distribuídos. Depois, em 2010, 1.449 famílias foram assentadas.

“O acordo abrange todas as  atividades afins do Incra no Estado e deve agilizar e melhorar a reforma agrária no MS”, disse o superintendente do instituto, Humberto Maciel.

O contrato vai ter duração de 24 meses  e pode ser renovado. O início da parceria se dará a partir de 20 de novembro. “As vantagens desse acordo são as melhores possíveis e serão sentidas assim que os trabalhos começarem”, sugeriu Maciel.

https://www.youtube.com/embed/0XKWEpfeHF0

Colunas

Contraponto