Lula diz: “Provem uma corrupção que eu irei a pé até a delegacia”

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva concedeu no início da tarde desta quinta-feira (15) uma entrevista coletiva para comentar a denúncia do MPF (Ministério Público Federal) contra ele e sua mulher, Marisa Letícia, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Durante seu pronunciamento, feito em um hotel no centro de São Paulo, o petista […]

Comentar
Compartilhar
15 set 2016 Por Erik Silva 16h07
/ Foto: Folha

/ Foto: Folha

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva concedeu no início da tarde desta quinta-feira (15) uma entrevista coletiva para comentar a denúncia do MPF (Ministério Público Federal) contra ele e sua mulher, Marisa Letícia, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Durante seu pronunciamento, feito em um hotel no centro de São Paulo, o petista estava cercado de aliados e disse não querer condenar ninguém pela imprensa. Lula também voltou a afirmar que não há provas contra ele.

— Provem uma corrupção minha que eu irei a pé até a delegacia.

Em entrevista na tarde desta quarta-feira (14), o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, afirmou que o petista é o “comandante máximo do esquema de corrupção”.

Lula e a mulher são acusados de serem donos do imóvel, avaliado em até R$ 1,8 milhão, e terem sido beneficiados por obras da OAS no triplex.

Político, profissão honesta

Lula comparou o presidente da República a um trem: “Um presidente é uma locomotiva e a máquina pública é uma estação. Todo dia passa uma locomotiva, mas a estação está lá”. O ex-presidente disse ainda a “profissão mais honesta é a do político, porque todo ano, por mais ladrão que ele seja, ele tem  que ir pra rua e pedir voto de novo”.

— Tenho consciência de que o meu fracasso teria agradado os meus adversários, não teria despertado tanto ódio contra o PT. O que despertou essa ira foi o sucesso do nosso governo. A maior política de inclusão social da história desse país, a maior bancarização da história (o equivalente a duas Argentinas).

Lula disse que “inventaram uma mentira, tornaram essa mentira verdade para a opinião pública e fizeram com que 347 deputados, que é a noite da hipocrisia e a vergonha, liderada por um cidadão que acaba de ser cassado [Eduardo Cunha]”

A novela do PT

O petista disse também que os acusadores dele e do PT estão enrascados porque criaram uma mentira. “Meus acusadores assim como uma parte da imprensa estão mais enrascados que pensam que eu estava. Construíram uma inverdade, como se fosse o enredo de uma novela, afinal de contas já cassaram o Cunha, já elegeram o Temer de maneira indireta, já cassaram a Dilma e agora tem que encerrar a novela: acabar com a vida política do Lula.“

Prova x convicção

Lula disse não ter como provar que nenhum crime cometeu: “Não tenho prova, mas eu tenho convicção, mas não posso dizer o que penso deles”. Em seguida, fez uma alusão à apreensão de um helicóptero apreendido no Espírito Santo que, supostamente, pertenceria ao senador Zezé Perrella (PTB-MG). “Eles pegaram a cocaína, eles viram a cocaína, mas não tinham convicção”, disse. Lula também se emocionou quando disse que conquistou “o direito de andar com a cabeça erguida nesse País”.

Alfinetada em Dallagnol

O petista disse conhecer “muita gente que tenta conquistar 5 minutos de glória, que querem aparecer na televisão, [mas] esses sobrevivem pouco porque quem conta a primeira mentira tem que passar a vida inteira mentindo. Que peça desculpa para um ex-presidente. É a única coisa que eu peço. E outra coisa: respeitem a minha família. […] Eu, de oito filhos, fui o primeiro a ter diploma (espero que procurador esteja nos assistindo) primário. Fui o primeiro a ter emprego melhor. Por conta do emprego, virei sindicalista. Fui o primeiro a ter TV, casa própria, carro e fui o primeiro a ser presidente da República. Quantas vezes o nome da minha família é achincalhado? Então, companheiros e companheiros, essa fala de indignação desse ser humano que completa 71 anos de idade em 27 de outubro, eu não tenho tempo de parar”.

Apoio às manifestações

O ex-presidente mandou um recado à força-tarefa da Lava Jato: “Não se preocupem com o Lula, é bobagem. […] Essa meninada que proibiu o Alckmin de fechar escolas aqui em São Paulo. Essa meninada que está indo para rua para reivindicar a democracia, reivindicar respeito, reivindicar solidaderidade, reivindicar mais educação, essa meninada é um Lula de 71 anos multiplicada por milhões de jovens nesse País”.

Choro

Quando falou sobre sua infância, o petista foi às lágrimas: “Estou à disposição. Não tenho espaço para ficar triste, eu sei o que é um grupo de cinco filhos num domingo de chuva na vila são josé em São Caetano esperando um punhado de feijão, sem ter o que comer [choro]”.

Presentes

Lula também falou sobre os presentes que recebeu enquanto ocupou o cargo de presidente da República. Disse aos investigadores da força-tarefa da Lava Jato que, “se o MP quiser o meu acervo, peguem por favor e levem. Aquele prédio [do MPF] grande que eles têm, que deve ter parte vazia, levem meu acervo por favor. Eu não tenho onde guardar. […] Não tenho relógio de ouro de pulso porque o ladrão me leva. Parem de procurar coisa onde não tem, procure em outro lugar”.

Cutucão em FHC e imitação de Fidel

Lula comemorou o fato de ter sido convidado a participar das reuniões do G8 — grupo dos oito países mais ricos do mundo: “Sabe o que é o G8? tudo aquilo que os sociólogos pensavam em participar”. Em umas poucas vezes em que apresentou bom-humor, imitou o ex-chefe de Estado cubano, Fidel Castro, falando uma espécie de portunhol.

Enrascada

“Me dedicaram um apartamento que não tenho, uma chácara que não é minha, de ser o ‘comandante maior do esquema de corrupção’ nma Petrobras. Não tenho prova, mas tenho convicção. Tenho convicção que quem mentiu está numa enrascada. […] Quem vai perder o sono é quem acha que eu vou perder o sono. A história mal começou, alguns pensam que ela terminou”.

Beijo no símbolo do PT

No final do discurso, Lula beijou o símbolo do partido e mandou um recado às pessoas que “odeiam o PT”.

— Quero a quem odeia o PT: daqui para frente, cada petista tem que começar a andar de camisa vermelha. Quem não gostar coloque outra cor. Mas esse partido tem que ter orgulho, aos 36 anos de vida, porque nunca ninguém fez mais do que nós fizemos. Criamos tudo o que foi possível criar.

Colunas

Contraponto