‘Maníaco do Face’ é condenado a 60 anos de prisão por estupros em série na Capital

João Carlos Ribeiro da Costa, 35, que no ano passado ficou conhecido como o “Maníaco do Facebook” ou “Maníaco da Internet” pela forma como escolhia suas vítimas, foi condenado a 62 anos e quatro meses de reclusão em regime fechado. Entre dois meses – entre 20 de julho e 29 de setembro –, o criminoso […]

Comentar
Compartilhar
20 set 2016 Por Campo Grande News 16h10
João Carlos, o garçom que ficou conhecido como ‘maníaco’, no dia que foi preso (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)

João Carlos, o garçom que ficou conhecido como ‘maníaco’, no dia que foi preso (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)

João Carlos Ribeiro da Costa, 35, que no ano passado ficou conhecido como o “Maníaco do Facebook” ou “Maníaco da Internet” pela forma como escolhia suas vítimas, foi condenado a 62 anos e quatro meses de reclusão em regime fechado.

Entre dois meses – entre 20 de julho e 29 de setembro –, o criminoso fez cinco vítimas. Ele abordava as mulheres pelas redes sociais e, depois, quando conseguia marcar os encontros, as estuprava por horas, além de roubá-las.

O “maníaco”, que trabalhava como garçom, foi preso pela Deam (Delegacia de Atendimento à Mulher) em outubro do ano passado.

O primeiro crime aconteceu no Jardim Aero Rancho – sul de Campo Grande. Em entrevista no dia 28 de outubro, a delegada Franciele Candotti contou que naquela ocasião, João Carlos invadiu a casa da vítima, de 24 anos, amarrou-a e a colocou em cima da cama deitada de bruços. Depois de violentá-la por pelo menos três vezes, ele andou pela casa em busca de objetos para roubar.

O estuprador levou a mulher para dentro do banheiro, onde retirou as cordas e mandou que ela não contasse a ninguém sobre o ocorrido, pois ele sabia onde ela morava.

Outras vítimas – Nos dias 21 de agosto, 18 e 29 de setembro, o garçom fez outras três vítimas, nos bairros Guanandi, Jardim Montevidéu, respectivamente e repetindo sempre o mesmo modus operandi.

No dia 16 de setembro, o criminoso invadiu uma casa no bairro Parati, porém a vítima conseguiu escapar, antes que ele a estuprasse.

Fórum, onde juiz da 4ª Vara Criminal analisou processos contra João Carlos e o sentenciou a 62 anos de prisão (Foto: TJMS/Divulgação)

Fórum, onde juiz da 4ª Vara Criminal analisou processos contra João Carlos e o sentenciou a 62 anos de prisão (Foto: TJMS/Divulgação)

Reconhecimento – Em uma das vezes, João Carlos chegou a pular o muro da casa para surpreender a vítima, que foi amarrada, imobilizada, vendada e arrastada até um quarto da residência. Em seguida, revirou a residência em busca de objetos de valor. Durante a procura, manteve a vítima imobilizada por quase duas horas.

Após praticar o roubo, cortou as cordas do pulso da vítima e, com uma faca em seu pescoço, retirou suas roupas à força e violentou-a sexualmente. Durante o crime, usou luvas e balaclava para não deixar rastros ou ser identificado.

Na verdade, o “maníaco” sempre usava roupas pretas, touca e uma mochila, onde carregava preservativos e as cordas. Estas características facilitaram o reconhecimento.

As penas foram fixadas pelo juiz Wilson Leite Corrêa, da 4ª Vara Criminal de Campo Grande. João Carlos está preso desde o ano passado.

https://www.youtube.com/embed/0XKWEpfeHF0

Colunas

Contraponto