Marinha encerra 3ª fase da Operação “Fronteira Sul”

A terceira fase da Operação “Fronteira Sul” foi encerrada nesta quinta-feira (13 de outubro), quando cerca de 1.000 militares da Marinha do Brasil e do Exército brasileiro participaram de treinamento na região de Porto Murtinho, simulando a retomada de uma área invadida, com o propósito de neutralizar o interposto logístico da “facção criminosa” e restabelecer […]

Comentar
Compartilhar
14 out 2016 Por Redação 10h13
Militares da Marinha em postos de combate no Rio Paraguai / Foto: Divulgação

Militares da Marinha em postos de combate no Rio Paraguai / Foto: Divulgação

A terceira fase da Operação “Fronteira Sul” foi encerrada nesta quinta-feira (13 de outubro), quando cerca de 1.000 militares da Marinha do Brasil e do Exército brasileiro participaram de treinamento na região de Porto Murtinho, simulando a retomada de uma área invadida, com o propósito de neutralizar o interposto logístico da “facção criminosa” e restabelecer a lei e a ordem. O objetivo da simulação de guerra, conhecida como “Operação Ribeirinha”, é retomar e controlar um determinado trecho de via navegável e sua porção terrestre que, por algum motivo, foi invadida por grupos oponentes.

No contexto da situação que foi gerada pelo Grupo de Controle da Operação “Fronteira Sul”, coube ao Comandante do Grupo-Tarefa 601 planejar e executar uma Operação Ribeirinha de alta complexidade, em função da capacidade do inimigo, empregando, além dos militares das duas Forças Armadas, diversos meios de superfície e aéreos, em um total de sete navios, mais de quarenta embarcações e três helicópteros.

Durante a manobra, os militares puderam se adestrar nas táticas de atuação em um ambiente ribeirinho, complementando a referida Operação por meio de Ações de Superfície e Aérea, Apoio de Fogo Naval, Operações de Inteligência e Táticas de Combate em terra.

A Operação “Fronteira Sul” prossegue em suas próximas Fases de Exercícios, com término previsto para o dia 21 de outubro, com a atracação dos navios no Complexo Naval de Ladário.

Com informações Ascom 6º DN

Colunas

Contraponto