‘Sequestrada no aeroporto’ teria forjado crime para arrancar dinheiro do marido

Casal se conheceu no Amazonas e ela prometeu se mudar para MS para viver com ele. A Polícia Civil de Chapadão do Sul descartou o sequestro de Ângela Mamed no Aeroporto de Campo Grande nesta sexta-feira (14). De acordo com a Polícia Civil, Ângela nem chegou a viajar para Mato Grosso do Sul. Investigadores entraram […]

Comentar
Compartilhar
15 out 2016 Por Midiamax 8h39

Casal se conheceu no Amazonas e ela prometeu se mudar para MS para viver com ele.

13873151_284237211938845_7245496741524312215_n

De acordo com o homem, de 26 anos, ele recebeu uma ligação de Ângela , que disse que havia chegado no Aeroporto de Campo Grande (Arquivo pessoal)

A Polícia Civil de Chapadão do Sul descartou o sequestro de Ângela Mamed no Aeroporto de Campo Grande nesta sexta-feira (14). De acordo com a Polícia Civil, Ângela nem chegou a viajar para Mato Grosso do Sul. Investigadores entraram em contato com a mãe de Ângela na cidade de Manaus (AM) que informou que a filha sequer havia saído da cidade.

Tudo leva a crer que foi Ângela quem enviou as fotos e mensagens sobre o suposto sequestro. Mesmo assim, a polícia não descarta que alguém possa ter pegado o celular e enviado as mensagens. O marido de Ângela, de 26 anos, foi quem procurou a polícia para relatar o suposto sequestro.

De acordo com o homem, de 26 anos, ele recebeu uma ligação de Ângela , que disse que havia chegado no Aeroporto de Campo Grande e pegaria um táxi para ir até a rodoviária e seguir para Chapadão do Sul, onde o rapaz mora.

Cinco minutos após falar com a esposa, ele recebeu outra ligação, mas ouviu a voz de um homem dizendo “Estou com a sua mulher aqui e não vamos liberar ela”. Ele afirma que logo depois o suspeito desligou o telefone e ele começou a mandar mensagens para a mulher pelo WhatsApp, mas que não era ela quem respondia.

Também foram mandadas para o homem fotografias da esposa com as roupas sujas e chorando. Pelo aplicativo de celular, o suspeito chega a pedir dinheiro para o resgate e alega ter usado o cartão da vítima, gastando todo o dinheiro até o limite.

Conforme o marido, o suspeito disse por fim que liberou a mulher na Rua Alcântara Machado, na Vila Santo Amaro, e quebrou o celular dela. Ele chegou a tentar ligar novamente para a esposa, mas o telefone deu desligado.

O homem contou aos policiais que está com a mulher há aproximadamente 8 meses. Ele arrumou um emprego em uma madeireira em Chapadão do Sul, onde moraria com a esposa. À polícia, o homem não soube informar a idade da mulher.

Colunas

Contraponto